Você esta em:
Home » Destaque » Solo da Amazônia guarda nitrogênio aplicado como fertilizante
Publicado em: 02-10-2018

Solo da Amazônia guarda nitrogênio aplicado como fertilizante



por Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia | IPAM

Um grupo de cientistas descobriu que boa parte do nitrogênio aplicado como fertilizante em plantações de soja e milho na Amazônia fica guardada até seis metros abaixo do solo – mas até quando ainda não se sabe. O estudo, publicado em setembro no site Scientific Reports, da revista britânica “Nature”, traz mais informações sobre o que significa intensificar a agricultura na região.

Os pesquisadores, liderados por KathiJo Jankowski, da Agência de Pesquisa Geológica dos Estados Unidos, analisaram o que acontece com o fertilizante aplicado em plantios na Fazenda Tanguro, em Mato Grosso, onde o IPAM coordena trabalhos científicos em ecologia.

Quando até 80 quilos de nitrogênio por hectare são aplicados em plantações de milho, a planta absorve o fertilizante quase totalmente. Quando a quantidade é maior do que isso – 120, 160 e até 200 quilos de nitrogênio por hectare -, a produtividade não sobe e o excedente fica estocado.

A intensificação da agricultura é uma forma de evitar o desmatamento de novas áreas para a produção. Porém, seus impactos ambientais ainda são pouco entendidos, entre eles os decorrentes do uso de mais fertilizantes. O estudo agora publicado traz um pouco mais de conhecimento sobre esse tema.

Os cientistas receiam que, quando o solo saturar, esse nitrogênio atinja os corpos d’água da Amazônia, com consequências ainda desconhecidas para a biodiversidade e o clima.

A preocupação tem razão de ser: nos Estados Unidos, por exemplo, o uso excessivo de fertilizantes na bacia do Mississipi derrubou a qualidade da água nessa região e criou uma zona morta onde o rio desagua, no Golfo do México, que no ano passado atingiu mais de 22 mil quilômetros quadrados – a concentração de nitrogênio e fósforo é tão alta e a taxa de oxigênio  tão baixa que a vida marinha é inviável ali.

Jankowski explica que há diferenças entre a situação americana e a brasileira, como a forma e a quantidade de nitrogênio aplicado na agricultura, assim como o tipo de solo. Contudo, há semelhanças suficientes entre ambos os casos para levantar uma bandeira de atenção, além de um fator determinante para manter a análise constante da situação: o ineditismo de uma prática sendo aplicada num ritmo alto e de forma extensiva por uma região muito grande.

“A conversão (da vegetação nativa) para soja e milho fertilizados com nitrogênio é muito mais recente na Amazônia e no Cerrado do que na bacia do Mississipi. A área de cultivo casado de soja e milho cresceu mais de dez vezes em Mato Grosso desde 2001”, diz Jankowski.

O tipo de solo onde o estudo foi feito, e que funcionou como uma “esponja” para o nitrogênio, é o latosolo intemperizado, formado em locais quentes e úmidos. Ele é o mais comum na transição entre Cerrado e Amazônia, onde a agricultura tem se intensificado nos últimos anos. Em 2015, cerca de 2,3 milhões de hectares da soja da região (ou 68% do total cultivado) e 4,9 milhões do cultivo casado de soja e milho (80% do total) estão nesse tipo de solo.

O pesquisador Christopher Neill, do Centro de Pesquisa Woods Hole, que também participou do estudo, reforça que a maior parte da monocultura da Amazônia tem se expandido sobre um tipo de solo que, até agora, impediu que o excesso de nitrogênio se movesse para rios e córregos. Mas isso não significa passe livre para o uso indiscriminado de fertilizantes.

“Esse sistema de cultivo tem menos de 20 anos na região, e não conhecemos ainda qual é a capacidade de proteção do solo, quanto tempo dura essa proteção ou que acontece se o índice de nitrogênio acumulado for maior do que a capacidade de retenção”, diz o cientista. “Esses resultados sugerem que é possível usar algum grau de fertilizantes na Amazônia, mas essas são as perguntas críticas que determinarão a sustentabilidade ambiental de um modelo mais intensivo de agricultura na região.”

No caso de a quantidade de nitrogênio exceder a capacidade de retenção do solo, a manutenção de matas ciliares é apontado pelos cientistas como fundamental para reduzir o risco de contaminação de rios e córregos. A vegetação, no caso, pode servir como filtro.

Impacto climático

Outro fator ambiental que também preocupa os cientistas é a emissão de óxido nitroso (N2O), um gás com um potencial de piorar o efeito estufa 300 vezes maior do que o gás carbônico, associado ao uso do fertilizante.

Pela medição dos cientistas, apenas 0,23% da quantidade aplicada normalmente vira N2O, uma taxa muito menor do que a observada globalmente. “A grande maioria do fertilizante é consumida pelo milho, que deixa pouco para ser emitido como N2O”, conta Jankowski.

A preocupação vem da escala da produção: extrapolando a medição, o uso do fertilizante nessa região pode equivaler de 8,8% a 14,7% das emissões diretas de N2O no Brasil.

Confira o artigo científico.

(Foto da chamada: Reprodução/IPAM/Lucas Ramos)

* Publicado em: IPAM